Thiago Toes

textos


 

JULIA LIMA - curadora
[ São Paulo - Brasil ]
O UNIVERSO ERA UM OCEANO VAZIO - 2017

O universo era um ovo negro-carvão, até que o deus que havia lá dentro rebentou, e da casca estilhaçada ele fez o mundo como o conhecemos hoje. Seria possível escolher um mito como o grego sobre a origem do cosmos para falar da produção de Thiago Toes, assim como seria possível narrar tantas outras lendas e histórias místicas das quais o artista se vale na sua pesquisa. Mas são versos traduzidos livremente de uma canção da islandesa Björk, Cosmogony, que melhor traduzem o espírito por trás dos trabalhos apresentados nesta exposição.Toes vem, nos últimos anos, desenvolvendo um vocabulário próprio em pinturas, esculturas e instalações, sempre ligado à esfera cósmica, astronômica (e, também, astrológica), já de maneira independente à linguagem do graffiti, onde ele se iniciou. Sua produção recente investiga com olhos poéticos, e não científicos, as estrelas e constelações, as dimensões alternativas, fenômenos físicos e óticos, empregando elementos alheios a esse terreno – balaclavas, máscaras, bonés, objetos ligados à sua história com a arte de rua.Nascimentos e origens parecem interessar muito a Toes, como se ele estivesse construindo o seu próprio nascimento ou origem como artista. Sua cosmogonia particular é apresentada nesta mostra em três momentos: esculturas, pinturas e desenhos. Ainda que ele lide com suportes tradicionais, suas técnicas e materiais não são nada menos que inusuais. As pinturas, mesmo que no suporte da tela, sucedem na linha tênue entre realismo e abstração – não no gesto ou na matéria, mas na concepção do que seria a imagem do universo.As esculturas, por outro lado, derivaram de um caminho distinto. Um conjunto de obras marcantes iniciado por ele em 2013 foram as máscaras costuradas em tecidos variados, de estampas como a do sofá da casa da tia-avó, a padrões gráficos e geométricos, passando por panos de lycra de tons vibrante. As balaclavas maleáveis deram origem a novas toucas, dessa vez feitas em tecido endurecido por massa plástica e tinta automotiva. A série intitulada Meus Heróisinclui ambas as variações, e continua reverberando em novos trabalhos. A imagem do rosto coberto ou apenas do gorro vazio recorrentemente aparecem em desenhos e telas, e agora se multiplicam quase infinitamente sobre a parede lateral da galeria. As pequenas esculturas seriadas de uma tonalidade branca luzente polvilham a profunda superfície azul da instalação, eternizando os heróis nas constelações inventadas pelo artista.O conjunto não alude apenas ao ambiente cósmico, mas faz um o paralelo entre mar e universo, que não se dá apenas pela semelhança cromática, mas reside principalmente na coincidência entre dimensões que são misteriosas, sobre as quais pouco sabemos e nas quais mergulhamos sem saber ao certo o que vamos encontrar.Por fim, ligando as duas extremidades da exposição, Toes apresenta uma vasta série de pequenos desenhos, revelando de um lado a natureza projetual do que parecem ser pequenos estudos, e de outro lado o seu interesse reiterado em explorar todas as possibilidades de criação de uma imagem, arriscando-se com a propriedade flexível e rápida do papel. Essas sucintas ilustrações contrapõem-se contundentemente à escala monumental dos outros trabalhos da mostra, e permitem que o público acesse um pensamento distinto do artista – menos compromissado com grandiosas narrativas, mas não menos engajado no desenvolvimento de uma linguagem singular.O misticismo e romantismo com os quais Thiago Toes encara temáticas gigantescas – presente nas narrativas dos heróis, nas infinitas galáxias pintadas, nos signos do zodíaco – poderiam talvez soar anacrônicos como discurso, mas manifestam-se com ousadia no seu desapego: emprega materiais dos mais variados, como madeira, argila, papel, tinta automotiva, sem preferências ou favoritismos; lança-se intrepidamente em experimentações com técnicas novas e suportes inéditos; e busca sempre alcançar proporções e profundidades cada vez maiores a cada novo projeto. O artista nascido sob o último signo do zodíaco, da água e da emoção, tenta navegar por oceanos astronômicos e mitos ancestrais, descobrindo mais e mais que o universo é infinito. 

 

 

DANIEL G.  ALFONSO - curador e crítico  
[ Havana - Cuba ]
EL UNIVERSO COMO PLATAFORMA VISUAL  - 2016

"La antroposofía es un sendero de conocimiento que quisiera conducir lo espiritual en el hombre a lo espiritual en el universo.'"
Rudolf Steiner

El arte del siglo XXI, en apenas 16 años, muestra diversas razones para que reflexionemos en torno a un diálogo creciente entre las manifestaciones artísticas y los procesos sociales, las mixturas estéticas, los nuevos estilos y lenguajes que han florecido y la crisis que se avizora entre los modelos establecidos. El arte latinoamericano, en la actualidad, se caracteriza por exhibir propuestas muy personales e inconfundibles, poéticas que dejan de ser “nacionalistas” para convertirse en corrientes consideradas “internacionales”.

Nuevos son los horizontes que se retratan en este continente, cada artista es capaz de dejar su huella más allá de las fronteras vitales de la existencia. Modos auténticos que por su originalidad ideoesética alcanza la condiciónde paradigma para las prácticas visuales contemporáneas.

Las nuevas generaciones de artistas caminan con pasos agigantados, siempre investigan antes de realizar una obra determinada y tratan de no parecerse a sus antecesores. La tradición pesa sobre sus hombros, sin embargo, la originalidad es algo que los caracteriza. Entrar en contacto con las creaciones del joven artista brasileño Thiago Toes es adentrarnos en un mundo diferente, desconocido. Su producción es un hibrido entre diferentes manifestaciones, dígase pintura, escultura y arte urbano, a través de las que orienta al espectador hacia un espacio sensorial que reflexiona sobre nuestra presencia y paso por el universo. Según comenta la curadora Mariana Melleu, “su trabajo nos lleva a las sensaciones más necesarias, al mismo tiempo que propone observar y repensar nuestra lugar en el espacio”.

A mi entender, la tela O meu horizonte particular resume parte de su trabajo, principalmente, el referente a todo su pensamiento conceptual y formal. Se trata de una representación del propio artista de espaldas al espectador en la que aprecia un horizonte determinado, un espacio cotidiano para él que se extiende hacia el infinito. Es una obra, además, con un contenido fuertemente espiritual; relación que nos permite establecer conexiones con los estudios de la antroposofía. Teoría que bien se puede aplicar a las creaciones de este artista, pues siguiendo los presupuestos de esta ciencia se llega a la conclusión de que la aplicación del color es de vital importancia para poder construir la escena interior del cuadro. Asimismo, la antroposofía busca un equilibrio entre el ser humano y el mundo que le rodea y, se basa en una metodología muy personal de la que Thiago Toes no escapa.

En el propio lienzo se aprecia un personaje que porta una máscara, como si fuera un superhéroe, para así enajenarse de todo lo que le rodea y solo concentrase en apreciar un universo transformado que debe comprender. La iconografía de la máscara en su quehacer será un elemento muy recurrente, pues cuando Toes era niño le gustaba dibujar héroes que salvaban el mundo, nos comenta. Dibujos infantiles que ahora se trasladan de lo bidimensional y cobran cierto espíritu tridimensional, transformación que otorga vida a la serie MeusHérois (Mis Héroes).

La materialidad de las obras que se incluyen en esta serie posee un alto valor estético, devienen objetos cercanos al proceso perceptivo del autor y son piezas contenedoras de significaciones que tienen la intención de comunicar el pasado íntimo del artista; a su vez, cada máscara potencia y estimula la sensibilidad del espectador. Así, encontramos en su haber Imersão, Sagrado y Balaclava.

La escultura, otra de las manifestaciones que explora, es portadora de nuevas estrategias. Su cuerpo es la matriz de donde parte Toes para realizar estas obras, el cuerpo convertido en un territorio común para todos y al mismo tiempo diferente indaga en problemáticas como la identidad, la existencia y la humanidad. Esculturas como Retrato de um joven artista celesteUm sonho celeste y Corpo celeste, además de formar a la exposición Celeste en la galería OMA de São Bernardo do Campo, hablan del equilibrio y el desequilibrio del arte contemporáneo y de los creadores; es su cuerpo y su alma en una búsqueda para (de)construir el misterio de sus dimensiones, universos y sus sueños, nos dice.

Los trabajos de Thiago tienen puntos de contacto con las creaciones de Sandra Cinto, fundamentalmente en lo concerniente al uso de una simbología propia y la representación de la naturaleza como un medio de evasión; como bien expresa Cinto: “el lugar del arte es el lugar del imaginario, del sueño, de la nostalgia”.

Un misterio al que se enfrenta el espectador en la exhibición Celeste, donde somos capaces de descubrir el universo como una plataforma visual constante en la labor de este artista. Son obras que reflejan los estudios de Toes por el universo, las relaciones de este con respecto al individuo y el origen de nuestras vidas. Según comenta el propio artista, Celeste es una puerta de entrada al público hacia sus secretos, sus recuerdos y hacia un mundo que está explorando en la actualidad.

Antes de finalizar este texto sobre la obra de este artista emergente paulistano, versátil y muy original, me gustaría mencionar sus intervenciones públicas. Son creaciones que crean ambientes diferentes y dotan a las ciudades de una visualidad muy diferente, son pinturas llevadas a un formato monumental y encuentran en las fachadas de edificios su soporte. En estos casos, los cuestionamientos sobre nuestra existencia es trasladada del intimismo de la galería hacia el exterior acercando la obra a todo tipo de público.

Thiago Toes demuestra ser un artista de vanguardia atrevido, sabe que abordar temas desde lo personal hace que sus trabajos adquieran carácter internacional; sus problemas también le llegan a los espectadores que siempre se sienten identificados. Debemos seguir de cerca la producción de este joven, pues sus obras pueden llegar a convertirse en parte imprescindible del arte brasileño y dejar una huella en el mundo del arte.

 

 

DOUGLAS NEGRISOLLI - curador
[ Santo André - SP - Brasil ]
LUMINAR - 2015

As experiências com o ambiente e muito mais com a filosofia nos dias atuais, influenciaram Thiago Toes a nos apresentar uma multiplicidade de sentidos, de cores e de espectros do mundo, do universo.

Nesta exposição, existem três informações que são, na realidade, partes da mesma intenção: de nos fazer imergir em um mundo mais doce, mais sutil e impactante. A forma colorida da lâmpada de LED gravada num vídeo nos dá indícios do que há por vir; me parece uma essência muito mais duchampiana de apropriação do próprio objeto LED (na verdade das luzes que ele produz) para provocar os sentidos, inclusive para se tornar meio hipnótico. Há a intenção de recriar algo que jamais pode ser recriado, mas que ao mesmo tempo nos informa da condição de majestade da sua própria vontade em representar algo como as cores de uma nova aurora. Nova aurora aliás, que se abre e se faz presente nos papéis que ele recorta, que cria um ambiente totalmente novo em sua pesquisa, se distanciando da prática da pintura em tela e experimentando novos suportes talvez mais frágeis. Quando a vida se torna mais frágil em tempos difíceis, Thiago nos proporciona delicadeza no sentido de pintar. Tudo é altamente delicado e majestoso, como a própria nova aurora que ele se inspira. A escultura que Toes nos traz é uma modelagem de seu próprio corpo, como se aquela armadura estivesse vazia, como se fosse uma herança de um tempo, de um momento, de uma vida passada; mas ela está aqui para lembrar que a máscara é também nossa, é divina e resplandece por dentro e por fora.

A dinâmica aqui usada é altamente experimental, e o próprio conceito do lugar recebe isso de braços abertos. O experimento de Thiago é a sua constante reinvenção, quase como um ciclo de destruição e criação de uma nova estrela, para uma nova aurora.

 

 

DOUGLAS NEGRISOLLI - curador
[ Santo André - SP - Brasil ]
CELESTE - 2013

Corpos.
Esta exposição se chama “Celeste” não por acaso, e faz referência a tudo o que é corpo desde o celeste que Thiago usa nas suas construções pictóricas e nos fundos abstratos contrastando com as figuras humanas que lhes distanciam de qualquer essência do Expressionismo Abstrato do pós Segunda Guerra Mundial. Ele não vem da guerra, mas está em luta com seu próprio ser e estar neste mundo enlouquecido e de tantos anacronismos. Percebe o mundo silenciosamente enquanto fala de rua e de espaço-tempo em suas pinturas e instalações, sejam elas dentro do espaço ou fora dele. Alguns símbolos destacam e criam identidade como a simplicidade (que na verdade não é tão simples) das formas quadradas e suas variações angulares de pedras e estrelas que são retiradas do céu e trazidas a nós.
Em tudo há um sentido para Toes e ele nos apreende com o inconsciente coletivo quando indagamos por suas obras de acesso complexo pelos símbolos que não podem e não devem ser lidos semioticamente, pois a obra de Toes é uma totalidade, inclusive pensada com uma distância natural que o espaço que lhe deseja e lhe aproxima, ao mesmo tempo lhe distancia e deriva desse espaço.
A cidade lhe é o espaço cabível, desde sempre: Toes pinta o que ele vê e o que transcende, como o estar numa manifestação nas ruas que lhe traz sentido de lutar por algo, pelos sonhos. São muitos os sonhos... muito se vê dos sonhos de cada um nos fundos, nos símbolos e signos onde estão cravados a pintura de Toes.
O espaço é o sideral e o que ocupamos nele. Os corpos que o ocupam.
Thiago Toes mostra pinturas e instalações onde quase todas estão relacionadas com o ser artista e com o corpo personificado dele mesmo, onde mostra o equilíbrio - e porque não o desequilíbrio - entre ser e estar artista. Toes se dedicou arduamente durante muitos meses e o trabalho de ateliê que ele desenvolve está semanticamente ligado ao trabalho das ruas e nos muros como suporte, onde acredita haver um elo especial ao mesmo tempo distinto e equiparável com a relação do corpo vivo, o perigo e a dinâmica do ser artista em todo o tempo. O profundo é a pintura mais significativa onde o vazio do espaço está em Thiago e Toes está no vazio com as flores.
O profundo é o vazio e o cheio que Toes vê: para ele, o copo e os corpos (celestes ou não) sempre parecem estar meio cheios, de tudo, incluindo de vida.

 

 

MARIANA MELLEU - jornalista
[ Porto Alegre - RS ]
THIAGO TOES - 2011

Toes foi apresentado à arte abstrata, ao cubismo e ao surrealismo, estéticas as quais podemos identificar quase que de imediato em suas obras. Mas se por um lado há essa verossimilhança aos movimentos artísticos antigos, por outro encontramos a originalidade ressaltada nos traços de Toes, resultado de seus pensamentos sensíveis e da maestria com que faz seus sonhos ganharem forma e se tornarem realidade simultaneamente de maneira infinita e particular. Seu trabalho nos remete às sensações mais necessárias e primitivas de vazio, ao mesmo tempo em que nos propõe observar e repensar o lugar que ocupamos no espaço, não importa se em um espaço ab- strato ou concreto. Seus personagens meticulosamente geométricos e a maneira como ora lança mão de cores gélidas, ora de cores fortes e alegres faz com que nos relembremos de algo muito simples: o principal da arte, com ou sem objetivos, não é apenas manifestar uma cultura, mas, antes de tudo, revelar sonhos, mistérios e inquietudes. E é isto, enquanto artista, que Toes representa: uma mente inquieta que se propõe a utilizar o universo fantástico e uma aura mística para colorir o aqui, a Terra, estática e real.

A percepção de arte e a naturalidade com que lida com os tons e contrastes se encarregaram, com o tempo e com a sua vontade, de transpôs os aspectos visuais do graffiti. Hoje e cada vez mais Thiago se dedica à pintura de telas com o uso de pincel, aquarela, pastel, óleo e até mesmo spray e látex. São duas atmosferas artísticas dis- tintas que convivem em paz em uma só pessoa. A ideia do futurismo e dos elementos astrológicos também serve de inspiração para ele, cuja simplicidade de pensamento faz surgir à tona obras que nos marcam justamente por causa dos traços limpos.

Suas retas evidenciam algo íntimo – a personalidade minuciosa e ingênua de um artista que voa em liberdade, seja com um pincel ou com uma lata de spray na mão. Em seu trabalho é possível encontrar algo adormecido de cada um de nós, ainda que incerto, talvez um sentimento, talvez uma identificação com seus elementos fictícios. Mas uma coisa é certa: se há a possibilidade de tudo ser arte, Toes nos facilita a reflexão. Graças à energia cósmica e à mágica sensa- ção de tranqüilidade que seu trabalho transmite, temos a certeza de que se trata de arte de primeira linha.